Anúncio

Pagamento por Aproximação ganha preferência entre jovens e desafia segurança cibernética

Em 2023, 81% dos jovens entre 18 e 24 anos e 71% entre 25 e 34 anos optaram pelo pagamento por aproximação.

O pagamento feito com cartão por aproximação foi preferência de 81% dos jovens entre 18 e 24 anos, em 2023. Os dados são da Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs). 

A tecnologia é a que mais cresce entre os meios de pagamento, conforme o levantamento da Abecs. Com alta de 66,3% no terceiro trimestre de 2023, em relação ao mesmo período de 2022, o tipo de serviço movimentou R$ 256,5 bilhões no ano passado. 

Pela primeira vez, os brasileiros pagam mais por aproximação do que com cartão tradicional em compras presenciais. Em setembro de 2023, mais da metade (52,3%) das transações presenciais foram realizadas com a tecnologia NFC (Near Field Communication) que permite ao cliente realizar o pagamento.

Já em quantidade de transações, foram registrados mais de 119 milhões de pagamentos com cartões, por dia, durante o terceiro trimestre do ano passado. Ao todo, foram 10,7 bilhões de transações, o que representou um crescimento de 12,9% em comparação com o mesmo período de 2022.
 

Golpe do cartão por aproximação

Apesar da popularidade, especialistas alertam para os riscos de crimes cibernéticos relacionados ao pagamento por aproximação, como o golpe do cartão por aproximação e roubo de dados. 

Segundo o advogado especialista em direito digital Luiz Augusto D’Urso, já existem vírus capazes de manipular o sistema das máquinas de cartão de crédito. Esse vírus bloqueia o pagamento por aproximação e leva o cliente a só efetuar a compra após inserir o cartão na máquina. Desta forma, os cibercriminosos conseguem capturar dados como senha e código de verificação.

“Primeiro, eles [vírus] desativam aquele sistema de pagamento por aproximação para obrigar o consumidor a inserir o seu cartão na maquininha e digitar a sua senha. Ao fazer isso, essa máquina que já está programada para subtrair essas informações será utilizada para depois acessar esses dados coletados indevidamente”, explica.

Para D’Urso, estabelecimentos com sistemas desatualizados ou com licenças piratas acabam deixando as maquininhas utilizadas para pagamentos com cartão ainda mais vulneráveis.

Já para o advogado especialista em direito penal, Bruno Feldens, os avanços tecnológicos trouxeram inúmeros recursos e possibilidades, mas, conforme a tecnologia prospera, as vulnerabilidades e técnicas de invasão também crescem.

“Com o incremento tecnológico da vida moderna, os criminosos também vão se adaptando e vão evoluindo e vão criando técnicas cada vez mais rebuscadas para fraudar, para enganar as vítimas, enganar os sistemas, se aproveitando de certas vulnerabilidades de segurança dos sistemas para dar golpes”, aponta.

Golpe do cartão por aproximação: como se proteger

Mesmo os criminosos se aperfeiçoando cada vez mais, os especialistas dizem que é possível se proteger com alguns cuidados e atenção na hora da compra. Coforme orientação de Luiz Augusto D’Urso, ao utilizar o cartão por aproximação, se a máquina der problema, verificar a razão desse problema e cancelar a operação solicitando nova forma de pagamento.

Bruno Feldens concorda e ainda reforça a importância da vítima procurar as autoridades para fazer a denúncia. “Quanto mais vítimas fizerem o registro do fato maior a chance da polícia conseguir chegar até os criminosos porque a partir da pluralidade de vítimas as investigações podem tomar um caminho mais fácil de ser seguido”, revela.

De acordo com Feldens, o crime é caracterizado como furto e a pena para quem pratica esse tipo de crime pode chegar a 8 anos de prisão. “Esse meio que eles utilizam pode ser enquadrado no furto mediante fraude, uma vez que eles estão subtraindo coisa alheia mediante fraude. Esse é um crime tipificado no Código Penal e que tem uma pena de até 8 anos”, destaca.
 

Fonte: Brasil 61