Três homens são condenados pelo assassinato da cantora do Kaoma

Três homens são condenados pelo assassinato da cantora do Kaoma

Loalwa Braz foi queimada viva em janeiro do ano passado no Rio de Janeiro

A 1ª Vara de Saquarema (TJ) condenou três homens acusados de matar a cantora Loalwa Braz, do grupo Kaoma, em janeiro de 2017. A cantora foi encontrada morta dentro de um carro incendiado em Saquarema, na Região dos Lagos do Rio de Janeiro, no dia 19 de janeiro do ano passado.

Loalwa ficou nacionalmente conhecida pelo hit de lambada “Chorando se Foi”, sucesso no final dos anos 1980. Foram condenados por latrocínio Wallace de Paula Vieira, de 23 anos, Gabriel Ferreira dos Santos, 21, e Lucas Silva de Lima, 18.

Na época do crime, o delegado Leonardo Macharet contou que a cantora foi queimada viva pelos criminosos. “Eles entraram na pousada, bateram nela com um pedaço de madeira, que já foi localizado. Também apreendemos uma faca e a camisa de um dos elementos com sangue. Ela estava gritando muito, eles resolveram levá-la para o carro. Um deles iria sair com ela do local, mas parece que o carro morreu e eles atearam fogo nela. Ela estava viva no momento que a queimaram. Foi queimada viva. Essa foi a parte mais cruel”, afirmou.

Eles tiveram acesso ao estabelecimento por meio de Wallace, que tinha começado a trabalhar recentemente na pousada.

Apesar do crime bárbaro, os criminosos ainda brincaram com a situação. “Os presos não demonstram arrependimento e ainda brincaram com a música sucesso dela (‘Chorando se foi’). Demonstraram total certeza do que faziam e nenhum arrependimento. É um crime bárbaro, bastante violento, e foge até da normalidade de Saquarema. Vamos trabalhar para prender o terceiro elemento ainda. Não temos o nome, apenas a descrição”.