Médica Kátia Vargas é absolvida da acusação de homicídio triplamente qualificado

Médica Kátia Vargas é absolvida da acusação de homicídio triplamente qualificado

A médica Kátia Vargas foi absolvida da acusação de homicídio triplamente qualificado, referente à morte dos irmãos Emanuel e Emanuelle Gomes Dias, de 21 e 23 anos. A decisão foi confirmada na noite desta quarta-feira, 6, inicialmente pelos promotores de Justiça Luciano Assis e Davi Gallo. A sentença não chegou a ser proferida pela juíza Gelzi Maria Souza que, após o início de um tumulto, solicitou a retirada do público do Salão do Júri, onde aconteceu o julgamento (leia a íntegra da sentença abaixo)..

>>Veja como foi o segundo dia do júri da médica Kátia Vargas

>>”Fui imprudente”, diz Kátia Vargas no 2º dia do julgamento 

Confira o momento em que o promotor Luciano Assis informa sobre a absolvição da médica:

A decisão causou revolta na família das vítimas, que se manifestaram ainda no Salão do Júri. A mãe dos jovens, Marinúbia Gomes Barbosa, subiu em uma cadeira e gritou que o caso “é uma vergonha”.

Já a tia das vítimas, Mércia Gomes, ameaçou matar a médica. “Ela matou minha sobrinha linda. Kátia Vargas é assasina. Ela matou. Eu não sei o que está por trás disso. Ela vai morrer. Alguém dá conta dela”, desabafou.

A tia das vítimas, Mércia Gomes, desabafa após a absolvição de Kátia Vargas. Veja o vídeo:

O julgamento começou na terça, 5, no Fórum Ruy Barbosa, em Nazaré. No primeiro dia, foram ouvidas as 10 testemunhas – cinco de acusação e cinco de defesa. Já esta quarta, 6, começou com o interrogatório da ré.

Durante seu depoimento, Kátia Vargas afirmou que não colidiu seu veículo, um Kia Sorrento, na motocicleta onde estavam Emanuel e Emanuelle. Segundo ela, houve uma tentativa de ultrapassagem, e não a intenção de matar os irmãos.

Sentada no banco dos réus, Vargas se limitou a responder apenas as perguntas da juíza presidente Gelzi Maria Souza, aos questionamentos dos sete jurados e às indagações feitas pela equipe de defesa, liderada pelo advogado José Luís Oliveira Lima.

Fonte: A Tarde